Na quinta-feira (30 de Setembro), o réu Gregório Leão iniciou a sua audição denunciando ao tribunal que a sua esposa, Ângela Leão, também ré no processo das dívidas ocultas, está a sofrer tortura psicológica na cadeia.

Esta quinta-feira, a minha esposa disse-me que está a sofrer tortura psicológica no estabelecimento penitenciário. Isso me preocupa porque ela está desamparada, infelizmente, isso me deixa mal desposto”, lamentou-se Leão, que apesar de se encontrar preso, procura assumir o seu papel de protectorcomo chefe de família.

Ângela Leão, partilhou com o seu esposo a alegada situação de tortura, durante os primeiros minutos que o casal se encontra na tenda da B.O, antes do inicio do interrogatório.

O juiz Efigénio Baptista pediu ao réu que explicasse como tem ocorrido a tortura psicológica feita à sua esposa e ele disse: “praticamente ela não tem liberdade de circulação, são indicadas pessoas para lhe seguir por onde ela vai e, não sei qual é o objectivo dessa perseguição”, questiona Leão.

O réu disse ainda que a mulher foi forçada a usar a camisola, mesmo não sendo fácil a sua introdução. Apesar de o juiz ter dado instruções para que cada réu usasse  a sua camisola, a comandante do estabelecimento obrigada a ela a usa-la e, eu acho que isso é excesso”.

O juiz escutou atentamente a preocupação do réu e prometeu que o tribunal irá se inteirar do assunto.

Mas, o juiz Efigénio Baptista posicionou-se sobre o agalhado dos réus e disse: Quando estiverem aqui no tribunal levem os vossos casacos. Quando sentirem frio usem os vossos casacos”, afirmou, reiterando que as calças devem ser somente de cor de laranja.

English EN Portuguese PT
× Como podemos ajudar?