Mais de 500.000 escravos foram levados de Moçambique

Os destroços de um navio negreiro português que naufragou ao largo da Cidade do Cabo a caminho de Moçambique para o Brasil em 1794 está agora a ser investigado por mergulhadores da Diving With a Purpose, que se centra na protecção, documentação e interpretação dos naufrágios do comércio de escravos africanos.

O São José-Paquete de África transportava mais de 500 moçambicanos escravos, dos quais 212 supostamente morreram afogados e os restantes foram revendidos no Cabo Ocidental.

Comerciantes de escravos mantiveram registos até que o comércio se tornou secreto depois de 1850, e o banco de dados https://www.slavevoyages.org/ hospedado na Rice University compilou os registos de 36.000 viagens de escravos.

Os dados abrangem 1501 a 1866. Portugal era o maior comerciante de escravos do Atlântico, enviando 5,8 milhões de africanos, seguido pelo Reino Unido com 3,3 milhões. Pelo menos 15% dessas pessoas morreram no trânsito:

Moçambique era uma parte pequena, mas importante do comércio global de escravos. A categoria Slave Voyages é “Ilhas do Sudeste da África e Oceano Índico”, sendo a maioria moçambicanos. Ao todo, 543.000 africanos orientais foram levados, dos quais 348.000 foram levados por traficantes de escravos portugueses.

 

O comércio de escravos moçambicano atingiu o seu pico nas décadas de 1820 e 1830. O ano mais alto foi 1839, no qual 31.756 escravos foram levados da África Oriental, a maioria de Moçambique.

Dois terços foram levados por escravos portugueses e o restante por escravos espanhóis. A população de Moçambique na altura era de 8,4 milhões. O tráfico de escravos era tão grave que despovoou o que hoje é província do Niassa e obrigou os Makonde a fugir para o planalto de Mueda.

× Como podemos ajudar?