Moçambicanos voltam a estudar na Hungria

As inscrições arrancam na segunda quinzena de Novembro deste ano e o primeiro grupo parte em 2025.

Vinte estudantes moçambicanos vão beneficiar de bolsas de estudos por ano, para cursos de licenciatura e doutoramento na Hungria. O acordo para o efeito, foi assinado na primeira semana deste mês, entre o Instituto de Bolsas de Moçambique em representação do Governo e a Embaixada da Hungria.

A prioridade das bolsas vai para estudantes de famílias desfavorecidas e em situação de vulnerabilidade. Trata-se de bolsas completas que cobrem todas as despesas de formação.

As inscrições terão início ainda este ano e serão coordenadas pelo Instituto de Bolsas de Moçambique. As aulas iniciam em Setembro do próximo ano.

O Governo moçambicano garante que o processo de seleção será transparente e criterioso, respeitando o equilíbrio de género, social e regional.

Para o embaixador da Hungria em Moçambique, residente em Luanda, Angola, Maris Zsolt, esta é uma cooperação mútua que poderá evoluir no futuro para as áreas de pesquisa académica entre os dois países.

São áreas prioritárias para a formação, engenharia, matemática, ciência e tecnologia áreas tidas como estratégicas para o desenvolvimento do país. Dos 20 estudantes 10 vão para licenciatura e outros para mestrado e doutoramento.

Para o efeito, foi rubricado um memorando de entendimento que viabiliza o programa de bolsas de estudo denominado “Stipendium Hungaricum”, pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), através do Instituto de Bolsas de Estudo, Instituto Público (IBE, I.P) e o Ministério dos Negócios Estrangeiros e Comércio da República da Hungria.

O acordo resulta em parte das relações de amizade e cooperação que a Hungria tem com Moçambique e dos esforços desenvolvidos pelo IBE, IP com a tutela do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) para encontrar parceiros nacionais e estrangeiros que financiam bolsas de estudo em diferentes países do mundo.

Testemunharam o momento, o vice-ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), Edson Macuacua,  o embaixador da Hungria em Moçambique, residente em Luanda, Maris Zsolt, directora do Instituto de Bolsas de Moçambique, Carla Caomba,  Cônsul da Embaixada da Hungria em Luanda, Farkas Katalin e José Malunga, Cônsul Honorário da Hungria em Moçambique.

English EN Portuguese PT
× Como podemos ajudar?