Universidade Joaquim Chissano é um exemplo na formação da mulher

A Universidade Joaquim Chissano (UJC), graduou semana passada, na Cidade de Maputo, 131 finalistas da Escola Superior de Governação, dos quais 46 são do sexo masculino e 85 são mulheres. Do número global, são 43 homens e 80 mulheres licenciados em Administração Pública e 3 homens e 5 mulheres mestres em Administração Pública e Desenvolvimento.

Ainda na semana passada, a UJC graduou 90 finalistas da Escola Superior de Relações Internacionais, dos quais 31 homens e 53 mulheres do curso de licenciatura em Relações Internacionais e Diplomacia; 3 homens e 2 mulheres do curso de Mestrado em Relações Internacionais e Desenvolvimento e 1 mulher do curso de Mestrado em Segurança Marítima.

Esta universidade graduou na mesma semana 96 licenciados profissionais em Administração Pública e 13 Mestres profissionais também em Administração Pública.

Por razões associadas à prevenção do COVID-19, a cerimónia de graduação de 2021 foi organizada de forma segmentada, comportando os actos de graduação da Escola Nacional de Administração Pública (ENAP), o da Escola Superior de Governação (ESG) e, enfim, o da Escola Superior de Relações Internacionais (ESRI).

Nos seus três discursos, o reitor da UJC Prof. Doutor José Magode, enfatizou a contribuição da instituição, que de forma inequívoca, está a operacionalizar os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável, na componente de equidade de género, tendo em conta a realidade desafiadora que as organizações e sociedades ainda enfrentam neste aspecto.

Segundo o reitor, as três cerimónias traduzem, de forma material, a missão da Universidade de produzir, transmitir e disseminar o conhecimento, a ciência e as tecnologias nos seus diferentes domínios através da investigação, ensino-aprendizagem e extensão, proporcionando uma formação académica e profissionalizante orientada para o saber-ser, saber-fazer, saber-estar e saber-pensar, revestindo-se de sentido à luz da sua visão, que consiste em “tornar-se numa instituição de referência no ensino superior.

Magode explicou que a formação dos graduados assentou em processos de ensino aprendizagem em prol de um perfil sócio-profissional e sócio-ocupacional de saber-ser, saber-pensar e saber-fazer, a respeito de problemáticas que afectam as relações internacionais contemporâneas, na sua relação com a paz e desenvolvimento do país e do mundo, como referências essenciais da humanidade, no Século XXI.

Por isso, recomendamos aos nossos graduandos a orientarem-se pelos princípios e valores da democracia e respeito pelos direitos humanos; igualdade, equidade e não discriminação; liberdade de criação cultural, artística, científica e tecnológica; participação no desenvolvimento económico, científico, social e cultural do país, da região e do mundo”, disse.

Recomendou igualmente, o reforço da cidadania, do patriotismo, da consciência cívica e ética; liberdade de pensamento e de expressão; valorização da cultura académica; autonomia; comprometimento social e comunitário; espírito crítico e ético-deontológico; excelência académica; laicidade; inovação; e criatividade, por serem valores de referência para a comunidade universitária.

O reitor desafiou a cada finalista a desenvolver acçõesconcretas, não só para a criação do auto-emprego, mas também, para que sirva de um canal e fonte de empregabilidade dos jovens, alguns dos quais sem oportunidades de obter formação e o capital de conhecimentos.

De acordo com o reitor, a universidade está ciente de que os recém graduados são colocados no mercado de trabalho, num contexto de crescentes desafios, resultantes dos efeitos da pandemia da Covid-19, que tem afectado, não só a saúde pública, mas também, a actividade económica de entidades públicas e privadas, facto que se traduz-se em limitações na capacidade de absorção dos graduados oriundos de diferentes áreas de conhecimento.

“Contudo, estamos convictos de que através do conhecimento adquirido ao longo do vosso período de formação, sereis capazes de transformar as barreiras que vos são impostas em oportunidades, rumo à procura de soluções consentâneas com a expectativa gerada a vosso respeito, no seio da sociedade”, disse.

Uma Administração Pública voltada para o cidadão

Já na graduação de profissionais em Administração Pública, José Magode defendeu que a construção de uma administração pública voltada para o cidadão e o aperfeiçoamento das respostas administrativas oferecidas à sociedade requerem funcionários e gestores com um perfil que se adeque a estes objectivos, que conduzam às grandes transformações necessárias nas diversas áreas da administração pública de forma corajosa e consequente.

O reitor afirmou que a  política de desenvolvimento do país orienta-se pela referência de melhoria crescente da qualidade de vida dos cidadãos e é neste sentido que o Plano Quinquenal do Governo para 2020-2024 elege a Boa Governação, como estratégia chave para a redução da pobreza.

Por outro lado, identifica como um dos seus pilares a Governação que tem em vista tornar a Função Pública num incentivador do desenvolvimento do capital humano e da economia nacional.

Para o reitor, a concretização destes objectivos passa, necessariamente, pela profissionalização dos funcionários do Estado através da sua formação, capacitação e reconhecimento profissional.

“A profissionalização, é um dos eixos centrais do programa de governação e aponta para a capacitação, formação e a valorização dos funcionários que integram a função pública, visando potencializar suas habilidades, competências e atitudes, condizentes com as responsabilidades que devem assumir no exercício da função pública e na materialização do lema adoptado”.

Dirigindo-se aos recém-graduados em Administração Pública, o reitor disse que estes, estão dotados de qualidades e capacidades relacionadas com as práticas profissionais consentâneas e com os propósitos de bem servir ao cidadão, nomeadamente sobre liderança; coordenação; gestão; atitude para com a mudança; relacionamento humano; comunicação; capacidade de interpretar a legislação, a política e a estratégia do Governo na promoção do desenvolvimento.

“Este perfil sócio-profissional representa uma referência que vos identificará na sociedade e no mercado de trabalho, graças ao facto de que na UJC, a vossa formação superior em Administração Pública ter-sebaseado nos princípios e directrizes como Polivalência e Flexibilidade; Continuidade e Parcerias para maior eficácia e eficiência da formação.

Segundo o reitor, estes princípios permitem estabelecer o perfil de saída desejado para os graduados dos programas de formação superior em administração pública. Este perfil deve procurar atender à especificidade das duas dimensões básicas da administração pública, nomeadamente a dimensão Racional e Organizativa, que compreende as actividades de suporte administrativo e logístico à produção e prestação de serviços em todas as organizações públicas e em todos os ramos de actuação.

José Magode acrescentou que constituem a essência daquilo que se convencionou denominar de “área comum do Aparelho do Estado e a dimensão Estratégica, Política e Inovadora, que requer um conhecimento que supere o “tecnicismo” das práticas administrativas.

“Este conjunto de exigências pressupõe a capacidade de constante renovação de métodos e tecnologias organizacionais; e a necessária criatividade e flexibilidade para ajustamento dos aparelhos administrativos ao processo de mudanças. Isso implica que ao “saber fazer” deve-se agregar e desenvolver as competências para o “saber traçar” estratégias que agreguem e potenciem os esforços empreendidos na implementação das políticas sociais e económicas do Governo”, acrescentou.

O reitor convidou todos os graduados e a academia a contribuir na solução da crise humanitária de Cabo Delgado, em particular, na minimização do drama vivido pelas vítimas do terrorismo nesta região do país. “Aproveitamos este ensejo para saudar as Forças de Defesa e Segurança pelos avanços até aqui obtidos para o restabelecimento da paz e segurança colectiva, em prol do desenvolvimento da nossa pátria”, finalizou o reitor.

Testemunham as cerimónias de graduação o Secretário de Estado da Cidade de Maputo, Antigo Secretário-Executivo da SADC, Tomaz Salomão, Vicente Joaquim, Embaixadores Ismael Valgy e António Matonse; Embaixador da Guiné-Equatorial; Bienvenido Okomo; representante da ONU-Mulheres; Marie Laetitia Kayisire; membros do Corpo Diplomático Acreditado na República de Moçambique; Vice Reitor Académico da UJC; Prof. Doutor Lukas Mkuti, Magníficos Reitores de instituições de ensino superior; representantes do Governo; membros dos órgãos colegiais da UJC; directores da Escola e Assessora; Docentes e Pesquisadores da UJC; membros do Corpo Técnico Administrativo;

English EN Portuguese PT
× Como podemos ajudar?