Afro-americano no corredor da morte há 36 anos

Kevin Cooper é um afro-americano, hoje com 63 anos de idade condenado a pena de morte em 1985,acusado por quádruplo homicídio que poderá não ter cometido.

Depois de ver chumbadas todas as recorrências feitas desde o ano da sua condenação, viu autorizada a abertura de uma investigação ao caso, segundo o jornal norte americano Washington Post.

O governador democrata Gavin Newsom, do estado da Califórnia, assinou este ano, a ordem executiva que abre uma investigação independente ao caso do afro-americano Kevin Cooper, que diz ser inocente há décadas.

Cooper, agora com 63 anos de idade, foi detido em 1983 pelo homicídio de um casal, da sua filha de 10 anos e de uma outra criança, de 11 anos, numa casa em Chino Hills, no mesmo estado. Em 1985, foi condenado à morte, tendo perdido todos os recursos que interpôs desde então.

O governador indicou que autorizou a investigação depois de terem sido pedidas novas análises de ADN, cujos resultados geraram reações contraditórias por parte da equipa de defesa do condenado e por parte do procurador do condado de San Bernardino.

Os factos referem-se a crime de extraordinária violência cometido a 5 de junho de 1983. Bill Hughes foi a casa de um vizinho para recolher o seu filho, Christopher, de 11 anos, que tinha passado a noite com o seu amigo. Bill encontrou o seu filho, os seus vizinhos, Doug e Peggy Ryen, assim como a filha deles, Jéssica, de 10 anos, sem vida. Todos tinham sido esfaqueados com grande violência, inclusive um outro filho do casal, Joshua Ryen, de 8 anos, que acabou por sobreviver, mesmo com um corte na garganta e uma concussão.

O sobrevivente, Joshua Ryen, indicou nos seus depoimentos que o crime tinha sido cometido por “três homens brancos”, tendo os investigadores encontrado fios de cabelo castanhos ou loiros nas mãos de algumas das vítimas, de acordo com o revelado em 2018 no New York Times.

Havia outras indicações de testemunhas que afastavam a hipótese de o crime ter sido cometido por um afro-americano, mas as autoridades de San Bernardino continuaram a focar-se em Kevin Cooper, porque ele tinha fugido da cadeia (onde estava por roubo) antes do crime.

Os delegados do xerife também foram contatados por uma mulher cujo namorado era um assassino condenado, recentemente liberto da prisão, que ela suspeitava do seu envolvimento nos assassinatos de Ryen. Ela não apenas deu aos policiais seu macacão ensanguentado, mas também disse que seu machado estava faltando em seu porta-ferramentas e se parecia com uma das armas supostamente usadas nos ataques.

Mas em vez de testar o macacão para ver o sangue dos Ryens, os policiais os jogaram fora – e perseguiram Cooper. Depois de um julgamento acusado racialmente, ele foi condenado pelo assassinato dos Ryens e Chris Hughes e agora está no corredor da morte na Prisão de San Quentin.

O governador Jerry Brown se recusa a permitir testes de DNA avançados que podem finalmente resolver a questão de quem cometeu os assassinatos, mesmo que a defesa de Cooper pague por isso. Brown se recusa a permitir testes até mesmo avançados dos cabelos loiros ou castanhos que foram encontrados nas mãos das vítimas.

Esta é a história de um sistema de justiça falido. Parece que um homem inocente foi incriminado por deputados do xerife e está no corredor da morte em parte por causa de polícias desonestos, cobertura sensacional da mídia e líderes políticos falhos-incluindo democratas como Brown e Kamala Harris, o procurador-geral do estado antes de se tornar um senador dos EUA, que recusou-se a permitir novos testes de DNA disponíveis para um homem negro condenado por hackear até a morte uma bela família branca e um jovem vizinho. Isso foi um fracasso em todos os níveis e deve levar à reflexão não apenas sobre um homem no corredor da morte, mas também sobre as profundas desigualdades em todo o sistema de justiça.

Estou a usar uma linguagem forte, eu sei. Mas fui a San Quentin para entrevistar Cooper, revisei transcrições de julgamentos e outros documentos, conversei com inúmeras pessoas dentro e fora do registo e, em 34 anos no The New York Times, nunca encontrei um caso na América tão ultrajante quanto De Kevin Cooper. Então me escute.

Pessoas mais inteligentes do que eu chegaram à mesma conclusão. “Esse homem é inocente”, disse Thomas R. Parker, um veterano da polícia de 30 anos que foi vice-chefe do escritório do F.B.I. em Los Angeles. “A evidência foi plantada, ele foi incriminado, a polícia mentiu no depoimento.”

Esta parece ser a repetição de uma tragédia que vimos antes: a polícia está sob grande pressão para resolver um crime sensacional, eles têm certeza de que têm o culpado e, quando faltam evidências, eles as plantam e dão falso testemunho. Isso é chamado de “teste” e é mais comum do que gostaríamos de pensar. Somente na cidade de Nova York, o The New York Times encontrou “um problema de perjúrio arraigado”, com mais de 25 casos de prováveis testemunhos apenas desde 2015.

English EN Portuguese PT
× Como podemos ajudar?