Filipe Nyusi reconduz governador do banco central

O Presidente da República, Filipe Nyusi, reconduziu hoje no cargo o governador do Banco de Moçambique, Rogério Zandamela, segundo um comunicado da presidência.

Passaram cinco anos desde que Nyusi nomeou Zandamela para o cargo, em substituição de Ernesto Gove, que terminou o mandato em 31 de agosto de 2016 após dez anos no posto.

Rogério Lucas Zandamela era até então funcionário do Fundo Monetário Internacional (FMI), desde 1988, tendo exercido sucessivamente as funções de representante-residente da instituição no Brasil e de chefe de Missão do FMI para Arménia, Costa Rica, Gâmbia, Guatemala, Libéria, Malásia, Nicarágua, Peru, Trinidad e Tobago e Zimbabué, no Departamento de Mercados Monetários e de Capital.

O governador agora reconduzido chegou ao banco central meses depois de irromper o escândalo das dívidas ocultas do Estado, agora em julgamento, num montante atualizado pelo Ministério Público para 2,7 mil milhões de dólares (2,2 mil milhões de euros).

O Banco de Moçambique interveio e conteve a acentuada derrapagem do metical que se seguiu, travando ao mesmo tempo a inflação galopante.

Durante os primeiros cinco anos de mandato de Zandamela, outros momentos marcantes passaram pela intervenção pública no Moza Banco, logo em 2016, entretanto vendido em 2018 à Kuhanha, entidade que gere o fundo de pensões dos trabalhadores do banco central.

No final de 2018, o governador enfrentou o “apagão” de cinco dias das caixas automáticas por falta de pagamento à empresa gestora informática da rede e promoveu a implementação de uma solução alternativa.

Já este ano, o banco central interveio em junho ao suspender o Standard Bank do Mercado Cambial Interbancário durante um mês, após detetar “infrações graves” com destaque para manipulação fraudulenta da taxa de câmbio.

English EN Portuguese PT
× Como podemos ajudar?