O nosso empenho mantém-se em Moçambique: Assegura o PCA da Total

O presidente do Conselho de Administração da multinacional francesa Total, garantiu ao Presidente Filipe Nyusi, que retomará as actividades na província de Cabo Delgado, logo que as condições de segurança forem repostas.

“De facto, nós estamos a trabalhar. Houve este incidente em Palma, província de Cabo Delgado, que é uma questão da segurança. Mas, quero assegurar que tivemos de tomar medidas de segurança e o nosso empenho mantém-se”, afirmou Patrick Pouyanné, em declarações a jornalistas moçambicanos que acompanharam o encontro entre ele e o Presidente Filipe Nyusi nesta segunda-feira, 17, em Paris.

“Vamos voltar e temos plena confiança no Governo de Moçambique que está a trabalhar e vai conseguir restaurar a segurança e lá estaremos”, sublinhou Pouyanné, quem justificou a suspensão das actividades e a retirada dos seus funcionários com a insegurança, dizendo que “nós somos pela segurança, sobretudo das pessoas”.

Na ocasião, e ante perguntas dos jornalistas, o responsável da Total desmentiu informações postas a circular de que a companhia estaria a pensar em abandonar o projecto de 20 mil milhões de dólares na exploração de gás natural em Cabo Delgado.

“A Total mantém-se empenhada no seu projecto em Moçambique. O gás natural é muito procurado no mundo para o planeta, é energia importante, é uma prioridade, por isso continuamos empenhados”, disse Patrick Pouyanné.

O Presidente Filipe Nyusi não prestou declarações, mas o assunto deve ser tema central da conversa na noite de hoje entre ele e o seu homólogo francês, Emmanuel Macron.

A imprensa francesa, citando fontes do Palácio do Eliseu, diz que Macron deve propor ao Presidente Nyusi o envio de tropas francesas para o terreno a fim de garantir a segurança do investimento multimilionário.

Fonte: VOA

× Como podemos ajudar?