RINOCERONTE: Usada ciência nuclear para proteger rinocerontes

Um projecto nuclear que visa diminuir a demanda por chifre de rinoceronte no mercado internacional, bem como tornar o chifre mais detectável ao cruzar fronteiras internacionais está a ser implementado por cientistas sul-africanos, australianos, russos e norte-americanos.

“Projecto Rhisóteo” anti-caça furtiva, o projecto, lançado recentemente, é baseado na ciência nuclear e tem o potencial de reduzir drasticamente a caça ilegal de rinocerontes.

Esta iniciativa é da responsabilidade da Universidade de Witwatersrand (WITs) e está a ser implementada em parceria com a Organização Australiana de Ciência e Tecnologia Nuclear (ANSTO), Universidade do Estado do Colorado (EUA), ROSATOM (Federação Russa) e a Corporação de Energia Nuclear da África do Sul (Necsa), além de cientistas globais, pesquisadores, proprietários de rinocerontes sul-africanos e cirurgião veterinário Dr. William Fowlds.

A Empresa Estatal russa de Energia Atómica Rosatom é uma das principais apoiantes e parceira da colaboração tecnológica internacional única entre universidades e organizações nucleares. O lançamento do projecto aconteceu no magnífico Buffalo Kloof Private Game Reserve, que também é um importante colaborador no projecto.

Na primeira fase foi cuidadosamente introduzida nos chifres de dois rinocerontes uma quantidade de traços de isótopos estáveis, completamente inofensivos. E durante os próximos três meses, os cientistas monitorarão os rinocerontes e analisarão várias amostras para entender como o isótopo interage dentro do chifre e do animal.

O aspecto chave desta pesquisa será confirmar que introduzindo isótopos radioactivos nos chifres desses animais raros e bonitos, não causará nenhum dano. A modelagem computadora e fantasma também será usada para confirmar isso, bem como identificar o isótopo radioactivo apropriado e a quantidade a ser usada.

Igor e Denver são os primeiros rinocerontes a passarem por esta experiência. Igor é nomeado em homenagem a Igor Kurchatov, um físico nuclear soviético que contribuiu muito para o desenvolvimento da tecnologia nuclear civil como é hoje conhecida. Denver foi o nome em homenagem à capital do Colorado, Denver, tudo para consagrar os esforços prestados pela Universidade estadual do Colorado (EUA) no projecto.

O professor James Larkin, director da Unidade de Física de Radiação e Saúde da Universidade de Witwatersrand, em Joanesburgo, destacou o facto de o projecto ter uma perspectiva diferente.

“Um dos poucos países do mundo, onde você pode ver os cinco grandes. Temos que trabalhar duro para manter isso pelas duas razões na indústria: para o emprego das pessoas, para o benefício de todos que vivem e trabalham ao redor da fazenda de jogos. Você tem que perceber que você pode atirar em um rinoceronte uma vez, mas se você filmar com uma câmera, você pode fazê-lo cem, mil vezes e as pessoas vão continuar voltando para ver esses animais bonitos, isso é trabalho para muita gente, isso é crescimento da economia”.

O Projecto Rhisótopo é multifacetado e conta com os seguintes princípios fundamentais, redução da demanda e desvalorização do chifre, elevação e investimento da comunidade, educação, bem como pesquisa de rinocerontes e colecta de dados. Ao focar nesses princípios, o projecto visa diminuir a demanda por chifre de rinoceronte no mercado internacional, bem como tornar o chifre mais detectável ao cruzar fronteiras internacionais. Com mais de 10 mil dispositivos de detecção de radiação instalados em vários portos de entrada em todo o mundo, especialistas estão confiantes de que este projecto tornará o transporte de chifres incrivelmente difícil e aumentará substancialmente a probabilidade de identificar e prender contrabandistas.

Uma vez concluída a pesquisa e uma prova de conceito foi demonstrada, essa técnica será então oferecida tanto aos proprietários de rinocerontes estatais quanto privados no continente africano e globalmente. A propriedade intelectual, bem como a capacitação e a assistência serão disponibilizadas gratuitamente às organizações de conservação que desejam utilizar esse processo para proteger ainda mais seus animais da caça ilegal.

“Estamos incrivelmente orgulhosos de desempenhar um papel fundamental nesta iniciativa incrível, que tem o potencial de salvar essa incrível espécie de certa extinção”, observou Ryan Collyer, CEO da Rosatom Central e da África Austral. “Também estamos humilhados pelo fato de que a ciência é capaz de transcender fronteiras, fronteiras e política como mostrado por esta iniciativa global em uma corrida contra a situação do rinoceronte africano. Acreditamos que a ciência e particularmente a ciência nuclear desempenharão um papel fundamental não apenas na protecção do rinoceronte, mas do nosso planeta em geral.”

A África do Sul abriga 90% da população mundial de rinocerontes. De 2010 a 2019, mais de 9.600 rinocerontes foram mortos em ataques de caça ilegal. Embora o comércio de chifre de rinoceronte seja ilegal e proibido internacionalmente, há muitos países que impulsionam a venda ilícita de chifres, países como Vietname, China, Camboja, Croácia e Coreia do Norte para citar alguns. Agora o chifre de rinoceronte traficado não é uma indústria própria, tornou-se uma “mercadoria” lucrativa para os maiores sindicatos do crime se beneficiarem.

English EN Portuguese PT
× Como podemos ajudar?