Estudantes exigem reformas políticas no eSwatini

Segundo a Agência noticiosa Aljazeera, exército e forças policiais foram enviados a escolas em eSwatini, onde, há semanas, os estudantes protestam para exigir reformas políticas. Os estudantes têm boicotado aulas e feito protestos discretos desde o mês passado.

Os estudantes protestam, principalmente, a libertação de dois legisladores presos durante protestos pró-democracia no início deste ano e como forma de exigir melhores condições de aprendizagem e educação gratuita.

Segundo declarações de Lucky Lukhele, porta-voz da Rede de Solidariedade da Suazilândia Pró-democracia, o exército daquele país foi implantado “para intimidar, mas isso não deteve os estudantes”.

A fonte, segundo Aljazeera, disse que 17 estudantes, incluindo um de sete anos, foram presos durante os protestos de segunda-feira. O Partido Comunista da Suazilândia disse que pelo menos 10 manifestantes foram presos, tendo um estudante sido baleado na perna.

Por seu turno, a porta-voz do Exército Tengetile Khumalo confirmou a implantação, mas disse que os soldados “não eram inimigos do povo”. Isso “não significa que haja guerra, mas apenas uma assistência a outras forças para manter a ordem”, disse.

A sociedade civil e grupos de oposição protestaram nas principais cidades de Manzini e Mbabane em Junho, saqueando lojas e propriedades, algumas das quais pertencentes ao rei Mswati III.

Pelo menos 27 pessoas morreram enquanto a Polícia entrava em confronto com os manifestantes em alguns dos piores distúrbios da história do país.

English EN Portuguese PT
× Como podemos ajudar?