Cabo Delgado no centro de debates da União Europeia

O Chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, diz que é preciso agir “o mais rapidamente possível” para apoiar Moçambique no combate aos insurgentes em Cabo Delgado, garantindo que para resposta a essa situação uma missão de formação militar está a ser preparada.
O “trabalho já está em curso” para enviar uma missão de formação da União Europeia (UE) a Moçambique, em resposta ao pedido de assistência do país. A garantia foi dada quinta-feira (06.05), em Bruxelas, pelo Alto Representante da UE para a Política Externa e de Segurança, Josep Borrell.
A situação na província nortenha de Cabo Delgado foi um dos principais temas em discussão no Conselho de Negócios Estrangeiros que reuniu os ministros da Defesa da UE. À saída da reunião, Borrell admitiu o sentido de urgência que a situação em Cabo Delgado exige e anunciou que Portugal se ofereceu para disponibilizar metade dos efetivos que serão enviados a Moçambique.
“Portugal, aliás, já enviou instrutores militares para o país”, lembrou o chefe da diplomacia europeia. “Essa missão portuguesa é por nós considerada como um contingente preliminar, que será integrado na futura missão da UE que será colocada no terreno, caso as partes cheguem a acordo.”
Josep Borrell sublinhou ainda que Moçambique é um assunto que, cada vez mais, faz parte da agenda da UE e que, no encontro desta quinta-feira, pediu que o trabalho fosse acelerado para que a missão possa chegar a Cabo Delgado “o mais rapidamente possível”.

Agência Lusa

× Como podemos ajudar?